Cadastre-se grátis e mande suas fotos

Fotos e fotos. O portal de imagens

Fotografia indiana

Baixar esta imagem

rolagem esquerda                                 rolagem direita




Fotógrafo conta como é fotografar a beleza da india

Fotografia indiana

 

A Índia é um país cheio de superlativos. Foi, e ainda é, retratado por grandes escritores, grandes artistas; lembrado pela sua religiosidade ampla, do budismo ao  hinduísmo; pela sua enorme produção cinematográfica, através da Bollywood (fusão de Bombay com Hollywood) e exageros em diferentes manifestações: sétimo país em área geográfica, segundo em população, e como não poderia deixar de ser, por uma produção fotográfica também expressiva, embora nem tão popular como suas outras artes, mas igualmente generosa e rica.

Fotografia indiana

Muito mudou desde que Sir Richard Burton (1821-1890) tornou popular no Ocidente os The arabian nights (os contos das 1001 noites) ou o Kama Sutra (saga erótica indiana) no final da era Vitoriana. Das imagens da dupla Bourne & Shepherd, retratando a Calcutá de 1867, até as manipulações fotográficas em 3D do artista Baiju Parthan, de 2011, a produção do país passa pelo registro documental clássico e vai para as experimentações multimídias. Se o mundo mudou, os fotógrafos e artistas indianos também  não ficaram parados.

Parte significativa dessa produção fotográfica foi exposta no Centro Cultural Banco do Brasil, em São Paulo, na mostra Índia, lado a lado, Arte Contemporânea indiana, onde diferentes artistas e fotógrafos compartilham uma imagética tão ampla quanto a literatura e os textos religiosos de seu país. Lá estavam  registros documentais, bem como a nova arte indiana, que como as de outros países, encontrou na fotografia um novo sopro criativo.

Não há dúvida que essa extensa produção vem sendo mediada pelo olhar ocidental, que tenta traduzir as peculiaridades de um país que tem como força motora um exotismo, muitas vezes caracterizado por uma visão peculiar, com uma importância forjada mais na estranheza de seu conteúdo do que nas características artísticas ou fotográficas que estas poderiam representar.

Por muito tempo a fotografia definiu um papel expressionista, calcado em parte na representação do retrato, da imagem de rua (street photography) no posicionamento político (as transformações da era colonial à independência) como as imagens de Homai Vyarawalla (1913-2012) e suas antológicas fotografias do Mahatma Ghandi, até chegar nas contemporaneidade quando seus produtores se rendem as performances e instalações, eco de um caminho aberto por artistas como Avtarjeet Dhanjal ou Anish Kapoor.

Fotografia indiana

Se podemos considerar que existe uma “imagem indiana” ela deve ser creditada a fundações como a Alkazi Foudation of Art, baseada em Nova Dheli, que desde 1995 vem se dedicando a pesquisa e preservação da fotografia. A Alkazi Collection of Photography (ACP)  reúne cerca de 85 mil imagens do século 19 e do século 20, oriundas do Sul da Ásia, da África do Norte e do Oriente Médio, entre negativos de acetato, cópias vintage, negativos de vidro, álbuns que vieram da Índia, Nepal, Sri Lanka, Afeganistão, Tibet e Burma entre outros países.

A arquitetura, a arqueologia, o desenvolvimento da colônias, estão registrados fotograficamente. Além dos fotógrafos orientais, temos imagens produzidas por grandes artistas do ocidente que vão do italiano Felix Beato (1832-1909) ao francês Henri Cartier-Bresson (1908-2004) que colaboraram definitivamente com a expansão dessas imagens ao redor do mundo. No entanto, é em trabalhos como o de  Vyarawalla, seguidora de Ghandi, e considerada a primeira fotojornalista indiana que se tem notícia, que a imagem contemporânea se firma.

Para a compreensão do processo evolutivo da imagem indiana, temos que retornar alguns anos, com o trabalho da dupla Bourne & Shepherd, estabelecidos em Agra desde 1863, considerado o mais antigo estúdio fotográfico no país e um dos mais antigos no mundo. Charles Shepherd e Samuel Bourne, bem como os fotógrafos do estúdio de John Nicholas & Co, abriram caminho para a documentação do povo e arquitetura indiana e caminharam juntos com a evolução da fotografia ao redor do mundo, tradicionais estúdios fotográficos que atendiam principalmente as comunidades mais abastadas das grandes cidades.

Os tipos humanos, retratos do dia-a-dia, de cidades como New Delhi ou Calcutá, cujas reverberações alcançam expressão internacional, foram se estabelecendo no cânone, chegando às representações contemporâneas, em obras de expressivos fotógrafos como Manu Thomas. Para este fotógrafo, “há uma espécie de fascinação e riqueza, naquela imagem suburbana, diferente da visão rural”. Em suas séries, extraídas do caos das grandes cidades, cuja poesia é um denominador comum, ele destaca “uma beleza interior no meio de um trabalho incessante e duro”.

Fotografia indiana

Baseado em Bangalore, Mahesh Shantaram é uma das expressões do novo documentarismo indiano. Segundo ele, “um documentarismo subjetivo” que em vez de ser abatido pela responsabilidade de dizer a verdade – o que para ele, é quase impossível – apenas registra os eventos que acontecem, ou traduzindo: suas experiências mais pessoais. Curiosamente, Shantaram passou um longo tempo nos Estados Unidos, mas se deu conta que estava perdendo seu tempo “em um cubículo em Washington” e resolveu retornar a Índia, onde se tornou o mais popular fotógrafo de casamento, conta ele.

Já no século 20, o poder da câmera se alterou, desprezando o retrato da riqueza colonial  em direção ao da auto-representação e dos retratos mais populares, o que deu maior responsabilidade aos estúdios locais. Ou seja, não bastava ter a família documentada, mas esta imagem tinha que durar para a posteridade. Nesse caminho podemos incluir as manipulações anteriores aos softwares, como o Photoshop, uma associação com a pintura indiana que aplica à fotografia seus truques mais elementares, levando o resultado as vezes com uma leitura kitch, as  vezes surrealista.

Como em outros lugares do mundo, parte dessa sintaxe fotográfica recai sobre a produção dos retratos, fio condutor das mudanças sociais e econômicas. E, se anos atrás, a formalidade e a pompa imperavam, a informalidade do cotidiano passa ser o mote dos fotógrafos mais contemporâneos como Manu Thomas, Ronny Sen, Swarup Dutta e Rajesh Vora, entre outros que integram o Pix Collective, formado também por curadores e pesquisadores, coordenados por Rahaab Allan.

O grupo Pix também edita a “Pix A Photography Quarterly” uma revista trimestral que parte da premissa que a fotografia é um meio evolutivo que coloca o mundo em termos tangíveis, através das mais diferentes maneiras, seja em termos temporais, espaciais ou históricos, revelando suas informalidades tanto quanto sua incongruência. O coletivo trabalha não somente com a imagem de arte mas com o editorial procurando a difusão da nova imagem indiana, principalmente através das mídias digitais. Para eles a imagem não se limita ao papel, e a proposta multimídia abre outras perspectivas.

O documental clássico, como o produzido por fotógrafos Raghubir Singh (1942-1999) um dos pioneiros da imagem em cor, certamente tem uma participação predominante nessa produção mais contemporânea. Singh atuou na Europa no início da década de 1970 e foi um dos primeiros fotógrafos a inserir o uso da cor no documental, em contrapartida a ortodoxia determinada pelo preto-e-branco. As suas imagens feitas em Bombaim, revelam a anatomia geográfica e social da Índia em meio as suas complexidades. Ele também foi professor na Escola de Artes Visuais da Columbia University, em Nova York.

Fotografia indiana

O indiano Raghu Rai, da Magnum Photos, é outro nome importante que abrange o mercado internacional por conta da difusão de sua agência. Nascido na pequena vila de Jhhang, hoje pertencente ao Paquistão, ele foi indicado por Henri Cartier-Bresson em 1977 para fazer parte da famosa cooperativa. Já publicou mais de 18 livros, alguns antológicos como “ Tibet in Exile” (Mondadori, 1990) e The Sikhs (Lustre Press, 1984). Rai tem uma leitura muito particular com seu preto-e-branco, mas transita pela cor com a mesma segurança com que trata seus retratos intensos, como os de Madre Teresa de Calcutá ou as grandes manifestações de rua.

Fotografia indiana

Com posturas mais ecléticas, as inter-relações com a arte não ficam muito atrás, apesar de que estas se alimentam igualmente do registro documental, seja no caráter étnico, seja no uso da arquitetura como referência para instalações cuja a base é fotografia, nas projeções multimídias e nos trabalhos com imagens 3D. Pushpamala N é uma artista que usa o retrato em instalações fotográficas ou vídeos, focando na questão étnica e da mulher, colocando a questão da autenticidade da imagem como leitmotiv de suas obras.

Se a pauta do momento é discutir qual seria a contribuição da fotografia no mundo real, ou melhor, se a fotografia é ou não realidade, questões que impelem os filósofos e pensadores, encontramos artistas como Baiju Parthan que trabalha com manipulações fotográficas em 3D, compondo grande painéis. Com uma carreira iniciada com a pintura, ele é reconhecido como pioneiro da arte interdisciplinar e intermidiática na Índia. De maneira crítica Parthan une a questão urbana com o universo onírico numa espécie de provocação surrealista, questionando o crescimento irregular e desordenado de seu país.

Fotografia indiana

O eixo global/local gerou uma dicotomia ancestral na arte moderna indiana, entre tradição e modernidade, afirma o historiador de arte indiano Deepak Ananth, professor da École des Beaux-Arts em Caen, Normandia. Para ele, o meio pictórico é privilegiado, sendo ancorado na iconografia e na realidade social, temáticas vivenciadas pelos artistas que aderiram as técnicas mistas de representação. E, se a arte indiana repercurte internacionalmente, encontramos definitivamente na fotografia, como mídia principal ou como suporte, um papel cada vez mais essencial em sua representação.



Camera  Fotos Relacionadas

Dicas de fotografia para iniciantes
Como captar a cidade
Como fotografar cus estrelados
Fotografar objetos em alta velocidade
Fotografias de texturas
Os fundamentos da fotografia de paisagem
Expor para a direita
Canon 70 200 f28 IS L Analise
Fotografar retratos sem erros
Como escolher a primeira DSLR
Nova lente da Nikon custa apenas 18 mil dolares
Fotografia de esportes
Dicas e truques para ficar sempre bem nas fotos
Regras da distancia focal
O valor agregado da informao
Os elementos de uma cena
Gastar ou no gastar?
Como fotografar casais
Cmera digital com zoom de 100x
Boas cmeras boas fotos ou no?
Trocando o equipamento
Como ganhar dinheiro vendendo fotos?
Nikon lana a AW1
Saiba como escolher um bom trip
Removendo olhos vermelhos das fotos
Como tirar fotos 3x4 e 5x7 sem pagar caro
Imagem de alta faixa dinmica entenda melhor
Dez dicas de fotografia basicas para iniciantes
Nikon DF primeiras impresses
Fundamentos da fotografia
Certificado para evitar golpes
Qual  a melhor DSLR
Compondo de maneira diferente
Fundamentos da fotografia de viagem
Como fotografar a terceira idade
A Luz e as cores na fotografia
Como escolher o balano de branco
Fotografar com o celular
Dicas de equipamentos
Devo ser um Freelancer?
FujiFilm apresenta nova Instax Mini 90 com design retr
Lentes zoom
Fotografia de silhueta em estudio
Entendendo a latitude de exposio ou dynamic range
Situaes de pouca luz
Testando uma objetiva canon 100-400mm
Posicionando a modelo de maneira facil
Fotografia noturna
Analisando os erros e acertos
Imprimindo com qualidade
Qualidades que todo fotgrafo deve conhecer
Cidade e campo
Comprar imagens em alta resolução
Comprar imagens em alta resolução
Como escolher uma lente fotográfica
Como escolher uma lente fotográfica
Tabela do jogo do bicho
Tabela do jogo do bicho
Zumbido nos ouvidos tem cura?
Zumbido nos ouvidos tem cura?
 Navegação
 camera Fotos e Fotos atualizado em 2015
fotosefotos.com
programador e webdesigner